Pesquisar neste blog

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

As belezas de Santorini, Grécia, seus deliciosos frutos do mar e os curiosos vinhedos circulares da uva Assyrtiko

Por Liana John, edição de Rogerio Ruschel
Estimado leitor ou leitora, estamos com muita sorte: a talentosa jornalista Liana John esteve na Grécia e com grande gentileza brinda os leitores de “In Vino Viajas” com um delicioso relato sobre a paisagem, a cultura, os vilarejos, o povo, a gastronomia e os vinhos de Santorini. Nas fotos acima e abaixo, imagens surpreendentes dos vinhedos aos pés do Monte do Profeta, mas na matéria tem muitas outras. Com a palavra Liana John.

“Se for à Grécia, ponha os pés – e os olhos – na ilha de Santorini. Reserve uma mesa voltada para o lindíssimo pôr-do-sol na vila de Oia e prove o vinho branco local, devidamente acompanhado por polvo grelhado.
A bela paisagem de Santorini inclui punhados de casinhas brancas agarradas às bordas da cratera de um imenso vulcão – ainda ativo e fumegante – inundado pelas águas azuis do Mar Egeu. Onde não há casas e hotéis (como o da foto abaixo) estão os vinhedos, quase invisíveis aos leigos e distraídos. 
Ali se plantam vinhas de uva Assyrtiko, variedade local cultivada há séculos, com uma condução desconhecida em outras localidades: a base de cada parreira é enrolada em círculo, semelhante a um ninho (foto abaixo), de onde as ramas saem quase rentes ao chão. As justificativas para esse formato incluem a proteção contra os ventos constantes, a manutenção do calor no outono e inverno e o aproveitamento dos nutrientes do solo vulcânico, sobre o qual vingam muito poucas espécies nativas de plantas.
Devido a esta particularidade, de início é difícil reconhecer os vinhedos, quando se passeia pelos 76 km2 da ilha principal, onde vivem cerca de 15.500 habitantes. Só quando aprendemos o que procurar é que eles se mostram onipresentes, tanto em pequenos lotes urbanos (mais parecidos com terrenos baldios) como ao lado de algumas das 600 capelinhas de teto abobadado azul. Ou ainda nas encostas íngremes das montanhas do interior, com destaque para o Monte do Profeta Elias, onde fica o monastério de mesmo nome. Cercado pelos vinhedos dos monges, claro. 
Em um dos penhascos, com vista deslumbrante para o mar, fica a vinícola Santo Wines, uma união das cooperativas vinícolas do arquipélago, que reúne 1.200 produtores. Ali se fabrica nosso grego preferido: o Santorini Assyrtiko Grande Reserve, um branco seco diferenciado, no qual os aromas de frutas secas mediterrânicas se combinam aos minerais vulcânicos captados por vinhas centenárias e um toque de carvalho dos 12 meses de “envelhecimento” em barris franceses. Ali também se oferece um cardápio degustação e se pode comprar azeitonas e azeites gregos, além dos vinhos. Eles têm tintos, espumantes e vinhos doces (Vinsanto, abaixo), claro, mas as estrelas são os brancos.
O Grande Reserve pede frutos do mar de qualidade e nossa opção foi um polvo grelhado e fatiado, impecável, consumido à luz do famoso pôr-do-sol (abaixo) da vila de Oia (pronuncia-se “ia”). Cauda de lagosta, lagostins, camarões, ostras e mariscos também devem ficar perfeitos, se preparados à base de vapor, calor (da grelha) e ervas ou consumidos só com um limãozinho (no caso das ostras). Tudo pelo máximo sabor original, que tal vinho pede (e merece).
Antes ou depois da degustação, vale uma caminhada descompromissada pelas ruas de Oia, repletas de lojas de artesanatos e joias, com visadas e ângulos preenchidos pelo branco das construções, de uma arquitetura muito particular. Não faltam antigos moinhos de vento (abaixo) – de onde antes se obtinha energia – nem afrescos, cruzes e motivos cristãos ortodoxos, pontilhando o branco das paredes e tetos. Muitas casas e boa parte dos 70 mil leitos de hotel disponíveis em toda a ilha são trogloditas, isto é, cavados na rocha vulcânica.
A capital da ilha, Thira (pronuncia-se Fira), igualmente repleta de casinhas brancas à beira de precipícios, com certeza merece um dia de visita. O pequeno e muito bem organizado Museu Prehistórico é obrigatório: ali estão peças e afrescos (encantadores), recuperados da cidade portuária de Akrotiri, localizada no extremo sul da ilha. As escavações também podem ser visitadas, na ida ou na volta da Praia Vermelha (Red Beach), para quem gosta de águas frias, porém absurdamente transparentes. Na foto abaixo, exemplo de mosaico do Monasterio do Profeta Elias 
A antiga Akrotiri foi inteiramente soterrada por cinzas da erupção vulcânica ocorrida por volta do ano 1.650 antes de Cristo (sim, há uns 3.660 anos). Como em Pompeia, móveis e objetos de decoração permaneceram preservados sob as cinzas, revelando o incrível desenvolvimento da civilização minoica. Só não há pessoas, como na cidade italiana ao sopé do Vesúvio, cuja explosão aconteceu bem depois, no ano 79. Há sinais de que a população fugiu às pressas, levando seus tesouros e joias em ouro e bronze, provavelmente para morrer no mar, devido ao violento derrame de material piroclástico e consequente tsunami. A catástrofe provocada pelo vulcão de Santorini é estimada pelos especialistas como a pior dos últimos 10 mil anos! Na foto abaixo a ilha de Terasia, a outra ilha habitada do aequipélago de Santorini.

É possível passar por Santorini e só ter olhos para suas atrações, dos simpáticos burrinhos que carregam turistas morro acima aos incontáveis degraus das ruelas cheias de charme. É possível ignorar o vulcão ou as transformações por ele impostas à população habitante das encostas. Basta pegar um dos 500 cruzeiros marítimos e seguir a multidão de 750.000 turistas que anualmente ali desembarcam para um atribulado dia, no fim da primavera, durante todo o verão ou no início do outono. No total, contando também quem vai de avião e balsa, a pequena Santorini recebe 2,5 milhões de turistas por ano!
Para fugir aos congestionamentos de visitantes, no entanto, o melhor é ir um pouco antes ou logo depois da temporada de cruzeiros. Assim, dá para evitar filas e sentar num dos numerosos restaurantes voltados para a caldeira do vulcão, cercada do profundo azul do mar. Em voz moderada, pode-se pedir um pescado e degustar longamente outro vinho branco da mesma vinícola Santo Wines: o Santorini Nykteri Reserve, com 75% de uvas Assyrtiko, 15% Athiri, 10% Aidani.
Com um toque cítrico e grande personalidade, ele combina bem com aquela paisagem vertiginosa, em camadas de rochas vermelhas, pretas e cor de areia, pontilhadas de pedras-pomes, demarcando a catástrofe do passado. Então se entra em contato direto com Kronos, o deus grego do tempo, o mais jovem dos titãs, filho de Urano (Céu) e Gaia (Terra) e pai de Zeus, o imortal supremo do Olimpo. Dá até para imergir na mitologia e perder a noção das horas...”
Conheça o trabalho de Liana John (na foto acima, em Thira) aqui: http://conexaoplaneta.com.br/blog/category/bioconecta/ ou aqui: http://www.camirim.com.br/

terça-feira, 6 de novembro de 2018

Tudo sobre o Dia Mundial do Enoturismo no Brasil de 9 a 13 de novembro; aproveite para passear, comer, beber, contemplar e aprender sobre a cultura do vinho




Estimado leitor ou leitora, vamos compartilhar o interesse pela envolvente cultura do vinho com a celebração do Dia Mundial do Enoturismo. Como informa o Ibravin, “a festividade ocorre no segundo domingo de novembro, quando se comemorava apenas o Dia Europeu do Enoturismo, ação alusiva que incentivou produtores de outros continentes a aderirem a causa mundial. Nesta primeira edição, além do Brasil, países como Itália, França, Portugal, Espanha, Uruguai, Argentina e Chile também promovem atividades. A iniciativa é realizada pela Rede Europeia de Cidades do Vinho (Recevin) e foi introduzida no Brasil pela Associação Internacional de Enoturismo (Aenotur). A programação nacional contou com o estímulo do Instituto Brasileiro do Vinho (Ibravin).

Para a estreia, empreendimentos da Serra e da Campanha Gaúcha e do Roteiro de São Roque, em São Paulo, se organizaram de forma individual e/ou através de apoio público e de entidades representativas. Neste ano, 17 ações nacionais em alusão a data serão promovidas de 9 a 13 de novembro. Na programação estão desde curso de cortes de carnes com almoço harmonizado, venda de vinho a preço de custo, exposição de arte em meio aos vinhedos, passeio de trator, degustações temáticas, exibição de filme em vinícola, sunset (festa realizada no vespertino) e até seminário de enoturismo. Para realizar atividades em homenagem ao Dia Mundial do Enoturismo, todo empreendimento que estiver inserido em roteiro pode promover ações em prol da iniciativa.

“O Ibravin estimula o setor para que vinícolas, hotéis, restaurantes e lojas localizados em roteiros enoturísticos comemorem e desenvolvam atividades específicas para a data. A participação brasileira no Dia Mundial do Enoturismo faz com que a gente se conecte a países tradicionais no turismo do vinho, mostrando que o Brasil também oferece boas opções enoturísticas e está inserido no mapa mundial da atividade”, explica Diego Bertolini, gerente de Promoção do Ibravin.

Confira abaixo algumas atividades realizadas nos municípios gaúchos de Bento Gonçalves, Garibaldi, Farroupilha, Flores da Cunha e Santana do Livramento e na cidade paulista de São Roque, em alusão ao Dia Mundial do Enoturismo, celebrado, neste ano, no próximo domingo (12). A programação está sujeita as alterações. Consulte os empreendimentos em caso de chuva.”   
   
BENTO GONÇALVES (RS)

Degustação de produtos ícones nos vinhedos
Onde: Vinícola Casa Valduga
Quando: dias 9 e 10, às 15h, e dia 11, às 14h
Valor: R$ 120 por pessoa
Descrição: Visitação na vinícola e degustação inédita em meio aos vinhedos de vinhos e espumantes ícones da marca (130 Blanc de Blancs, 130 Blanc de Noir, 130 Rosé, Gran Chardonnay D.O., Gran Raízes, Storia). O valor inclui uma taça de cristal. Máximo de 12 pessoas por grupo.
Reservas:
É necessário agendamento prévio pelo (54) 2105.3122  ou cursos@casavalduga.com.br

Passeio de trator pelos vinhedos
Onde: Vinícola Dom Cândido
Quando:
dia 10, às 10h, às 14h e às 16h
Valor:
R$ 70 por pessoa
Descrição:
Passeio de trator
até os parreiras, na companhia de um dos proprietários da vinícola. Serão apresentados os espaços da propriedade e a história familiar, com parada para apreciar a paisagem, com espumante e tábua de frios. No retorno, haverá uma degustação de seis rótulos de vinhos e espumantes na loja do empreendimento. O participante será presenteado com uma taça personalizada. A duração aproximada é de uma hora. Máximo de 10 pessoas por grupo.
Reservas: É necessário agendamento prévio pelo (54) 2521.3500, (54) 9.9976.8840 ou pelo
varejo@domcandido.com.br

Passeio terroir
Onde: Vinícola Cainelli
Quando: dias 10 e 11, das 9h30min às 11h e das 13h30min às 17h
Valor: R$ 50 por pessoa
Descrição
: Passeio a bordo do Winetuc, onde o visitante aprenderá sobre o que é terroir em meio aos vinhedos, conhecendo o solo e o clima local através do contato direto com nosso viticultor. No retorno, haverá uma visita ao museu centenário da vinícola para conhecer a história da família, seguida de degustação no deck com os vinhos que representam o terroir local. O passeio tem duração aproximada de 90 minutos.
Reservas:
É necessário agendamento prévio pelo (54) 3458.1441, (54) 9.9642.6245 ou pelo contato@vinicolacainelli.com.br

Visita ao museu e degustação
Onde:
Vinícola Cainelli
Quando: 11, das 9h30min às 11h e das 13h30min às 17h
Valor: gratuito
Descrição: em comemoração ao Dia Mundial do Enoturismo, a vinícola oferecerá a experiência de forma gratuita aos visitantes. Nesta opção, além de visitar o museu centenário da vinícola para conhecer a história da família, são degustados três rótulos entre oito variedades diferentes de vinhos e espumantes.
Reservas:
É necessário agendamento prévio pelo (54) 3458.1441, (54) 9.9642.6245 ou pelo contato@vinicolacainelli.com.br

Secreto de Los Asados       
Onde: Vinícola Lovara           
Quando: dia 10, das 10h às 14h       
Valor: R$ 200 por pessoa ou R$ 380 por casal        
Descrição: a vinícola promoverá um curso sobre a culinária dos pampas em meio ao vinhedos, seguido de almoço preparado em fogo de chão, harmonizado com vinhos e espumantes. Mais do que a história do churrasco e do povo gaúcho, o chef parrillero Demétrios Richter da Silva ensinará sobre qualidade da carne, mercado nacional e internacional, seleção genética dos animais, parrilla, fogo, cortes argentinos e uruguaios, ponto de cocção, desossa e sete tipos de cortes.                
Reservas:
É necessário agendamento prévio pelo (54) 2102.9005 ou eventos@lovara.com.br

Degustação Raridades       
Onde: Lidio Carraro Vinícola Boutique        
Quando: dias 10 e 11, às 9h 
Valor: R$ 120 por pessoa      
Descrição: Degustação de 12 produtos: seis das linhas Premium, três das Top Premium e três rótulos “Raridades”.  
Reservas: A
gendamento prévio até o dia 9, pelo (54) 2105.2555 ou pelo (54) 9.9600.8740

Exposição de arte
Onde:
Vinícola Miolo
Quando:
dia 11, das 11h às 17h
Valor:
entrada franca
Descrição:
exposição de fotografias e pinturas (aquarela) enológicas em meio aos jardins e vinhedos da vinícola.
Não é necessário fazer reserva.

Vinhos gaúchos a preço de custo
Onde: Restaurante GURI – Cozinha de Origem
Quando: dia 11, das 12h às 15h
Valor: entrada franca (apenas consumação)
Descrição: os clientes que optarem pelos pratos à la carte ou pelo Menu de Origem pagam preço de custo nos vinhos gaúchos ou levando rótulos brasileiros de casa não pagam a rolha.
Reservas: Agendamento pelo
(54) 3459.1084 ou pelo (51) 9.9525.0303

GARIBALDI (RS)

Dia Mundial do Enoturismo em Garibaldi         
Onde
: Vinícola Peterlongo    
Quando: dia 11, das 15h às 20h       
Valor: entrada franca
Descrição: vinhos, food trucks, shows e carros antigos estarão reunidos nos jardins da vinícola para celebrar o Dia Mundial do Enoturismo. O evento organizado pela Secretaria Municipal de Turismo e Cultura e pela Rota dos Espumantes brindará a data com o símbolo da cidade: o espumante. Serão vendidos os produtos das vinícolas Casa Pedrucci, Domno, Garibaldi, Peterlongo e Santa Bárbara. Haverá shows com os garibaldenses Eduardo Segabinazzi (15h), Lela Rosanelli (16h) e banda Mad Mary (17h). Em caso de mau tempo, o evento ocorrerá no interior da vinícola.       
Não é necessário fazer reserva.

Wine Movie
Onde:
Vinícola Peterlongo
Quando: dia 10, das 19h às 23h
Valor: antecipado, R$ 40. No local (sujeito à disponibilidade), R$ 50
Pontos de venda: varejo da Vinícola Peterlongo ou pelo site sympla.com.br
Descrição: Exibição do filme “Todos os caminhos levam a Roma”, nos jardins da vinícola (em caso de chuva, é realizado na parte interna). O ingresso inclui uma pipoca, uma taça personalizada e uma dose de vinho ou espumante. Haverá venda de produtos da marca e food truck.

10º Garibaldi Vintage        
Onde:
Centro Histórico de Garibaldi
Quando: dia 9, a partir das 19h        
Valor: entrada franca
Descrição: O evento possui a temática das décadas de 1920 a 1960 e encanta turistas e moradores. Ao longo da Rua Buarque de Macedo, o público pode encontrar gastronomia, espumantes e shows. A presença de diversos carros antigos e a caracterização de parte do público, lembrando o período homenageado, também são destaques.           

FLORES DA CUNHA (RS)

Spuntino in giardino
Onde:
Vinícola Casa Gazzaro
Quando:
dia 11, das 10h às 18h
Valor: R$ 30 a R$ 60 (inclui um rótulo e brusquetas)
Descrição: Com os dias quentes, cresce a vontade de desfrutar de atividades ar livre, que envolvam a natureza. Para aproveitar esse momento, a vinícola oferecerá na compra de um vinho ou espumante, seis brusquetas para serem saboreadas nos jardins da vinícola.
Reserva: agendamentos pelo (54) 3292.4455 ou (54) 9.9947.3145

Faça degustação e ganhe uma taça
Onde:
Vinícola Viapiana
Quando: dia 11, das 10h às 15h
Valor: R$ 25 (revertidos em compras no varejo da vinícola)
Descrição: em comemoração à data, o visitante que realizar o tour pela vinícola e fizer a degustação tradicional com cinco rótulos, ganha uma taça colorida.
Não é necessário fazer reserva.

Degustação às cegas
Onde:
Vinícola Panizzon
Quando: dia 10 (das 9h30min às 12h e das 13h às 17h), dia 11 (das 9h30min às 15h, sem fechar ao meio-dia), e dia 12 (das 9h às 11h45min e das 13h30min às 17h30min)
Valor:
gratuito
Descrição:
degustação às cegas de quatro vinhos para identificar a variedade de cada rótulo.
Não é necessário fazer reserva.

FARROUPILHA (RS)
Tasting Day
Onde: Vinícola Casa Perini
Quando: dia 10, das 16h às 22h
Valor: R$ 190 por pessoa
Pontos de venda: ingressos antecipados devem ser adquiridos no Empório Casa Perini em Farroupilha, no site
ticketmais.com.br, nas lojas Gang de Caxias do Sul e de Porto Alegre, na Academia Prime Fitness ou nas lojas Boarstore (Farroupilha) e Guria Guria (Bento Gonçalves)
Descrição: Sunset enogastronômico open bar e food nos jardins da vinícola. Mais de 30 rótulos de vinhos e espumantes, drinks e ilhas gastronômicas.

SANTANA DO LIVRAMENTO (RS)       

Seminário Binacional de Enoturismo     
Onde:
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul Riograndense (IFSul)       
Quando: dia 13, das 13h às 18h       
Valor: entrada franca            
Descrição: o evento aberto ao público busca estimular o incremento dos negócios vitivinícolas por meio do turismo e apostar no enoturismo como foco de experiências para os turistas nacionais e internacionais. A ideia é que as vinícolas explorem o turismo através de outras atividades, além da produção de vinhos e espumantes, com roteiros de charme, hotéis boutique e gastronomia, valorizando produtos regionais. A iniciativa é do Sebrae/RS, em parceria com o Senac, Ibravin e Festival Binacional de Enogastronomia.
Reservas: agendamentos até o dia 12, pelo (55) 3412.4694 ou pelo monicag@sebraers.com.br

SÃO ROQUE (SP)

Ganhe uma garrafa de vinho
Onde: Restaurantes Português e Italiano da Vila Don Patto
Quando: dias 10 e 11, das 11h30min às 17h30min
Valor: entrada franca (apenas consumação)
Descrição: as primeiras 10 mesas que chegarem em cada um dos restaurantes Português e Italiano da Vila Don Patto, em cada dia da ação, serão presentadas com uma garrafa de vinho.
Reservas: agendamento pelo (11) 4711.3001 ou pelo (11) 9.8804.6035

sábado, 27 de outubro de 2018

Aprendendo a tirar tanino forte de uva de casca fina: memórias “Pinot Noir” da turma 53 do curso de certificação da Sommelier School, em São Paulo


Por Rogerio Ruschel
Meu prezado leitor ou leitora, passei um fim de semana me sentindo uma uva Pinot Noir. Explico. Quanto mais tempo o sumo da uva tinta ficar em contato com a casca durante a fermentação, mais estrutura, com tanino e cor o vinho poderá ter. Algumas uvas, como a Pinot Noir, tem a casca mais fina e é necessário mais tempo de contato com o sumo para se obter cor e taninos. Pois isso foi o que aconteceu comigo - e provavelmente com alguns dos meus 16 colegas da turma 53 do curso Nível 1 do curso de Formação de Sommelier Internacional da ISG. No fim de semana estudei muito, fiquei por horas em contato com a apostila do curso para “pegar estrutura e tanino” e poder enfrentar a prova final. 
O curso da ISG - International Sommelier Guild, representada com exclusividade no Brasil pela Sommelier School de São Paulo, tem três níveis com dificuldades crescentes e é aceita internacionalmente, como me disse Marcelo Asnis, um dos diretores. Fiz o 1o. Nível – Intermediate Wine Certificate que tem 24 horas-aula e a degustação de 48 vinhos (alguns deles na foto abaixo). No final enfrenta-se uma prova com 60 questões e uma degustação cega onde temos que adivinhar tudo. O professor foi o jornalista Beto Duarte. O Nível 2 – 16 aulas (96 vinhos) e Nível 3 – 32 aulas (451 vinhos), qualifica e prepara os alunos para os títulos de “Master of Wine” e “Master Sommelier Internacional”. 

No início me parecia fácil, afinal há muitos anos leio, pesquiso, entrevisto, visito, degusto e escrevo sobre vinhos. Mas preferi passar pela “sessão Pinot Noir”.  A apostila do curso (aliás muito interessante e divertida de ler) tem quase 200 páginas e inclui não só as características das principais uvas, mas o perfil de solos e terroirs, o detalhamento de processos industriais, vocabulário especializado e um imenso conjunto de características dos vinhos. Que tal identificar uma uva a partir da descrição de suas bagas e cachos, pelo tipo de doença que pode enfentar ou sua preferência por tipo de solo? E saber quais as diferenças entre vinhos da mesma uva produzidos em uma região do Novo Mundo e do Velho Mundo?  Por isso tive que ler e reler a apostila de 200 páginas, repassar os slides e rever as fichas de degustação durante o fim de semana. No momento em que escrevo esta matéria ainda não tenho o resultado, porque a correção das provas é feita na sede da ISG, nos Estados Unidos. Mas acho que fui bem, vamos esperar. 

 Dividi esta experiência com 16 colegas (acima), com diferentes objetivos. Marcos Buturi, especialista em carnes, gestor da área de restaurantes da JBS, é um enófilo com grande capacidade olfativa e uma bela adega em casa, e fez o curso apenas por prazer pessoal, não pretende ser sommelier. “Vinho é uma eterna descoberta de novas experiências e sabores, é um prazer interminável, por isso quero conhecer melhor”, afirma. A bancária Fernanda Eiko Kinoshita também fez o curso por prazer pessoal, mas não descarta a possibilidade de fazer o Nivel 2 e trabalhar profissionalmente com vinhos.
O argentino Gustavo Gamarra é garçon em um restaurante italiano de São Paulo e acredita que o curso pode ajudá-lo profissionalmente. “Não penso em me tornar imediatamente um sommelier, porque nem todos os restaurantes podem ter um sommelier, mas se for um garçon promovido a maitre, fico mais próximo do sommelier”, diz. No sentido contrario, o brasileiro Guilherme Segantini morou na Argentina onde se apaixonou por vinhos, fez vários cursos, mas decidiu fazer o curso em São Paulo para ter um conhecimento mais amplo do mercado internacional. “Na Argentina até tres anos atrás era proibitivo importar vinhos, então só se trabalhava com vinhos argentinos; agora quero ampliar meus conhecimentos”. 

Mas o curso atende outros objetivos. O casal Luis Marcelo Pioli e Crisley Fernandes de Andrade Pioli moram em Jacutinga, no sul de Minas Gerais, onde produzem café. No municipio da “capital nacional da malha” e estância hidromineral, há tres anos estão trabalhando para produzir vinhos, o que deve se realizar a partir do ano 2020. Com assessoria dos agrônomos de sua equipe, plantaram Syrah, Cabernet Sauvignon e Pinot Noir. Estão fazendo o curso para aperfeiçoar os conhecimentos e se preparar para as próximas etapas do negócio, porque, como diz Luis, “exportamos café e conhecemos pessoas do ramo, mas precisamos estudar muito para fazer vinhos com qualidade para mercados internacionais”. 

Georgio Robert também não pretende ser sommelier, mas como trabalha com vendas em uma importadora de vinhos, acredita que a certificação da Wine Certification vai ajudá-lo a atender melhor seus clientes e a abrir mercado para ser um educador sobre o assunto. E Marcia M. Novais, que atualmente trabalha em uma loja de shopping center, faz o curso para “agregar valor ao que gosto” como diz. E acrescenta: “Adoro vinhos. Vinho é muito criativo e eu adoro novidades. Quando você conhece vinhos tem menos pena de investir em qualidade.” Quando janta com o namorado, ela é quem escolhe o vinho, informa com uma indisfarçável alegria. 
O que com certeza aprendi no curso é que o mundo da vitivinicultura oferece possibilidades para pessoas de bom gosto de diversas maneiras. Brindo a isso e a todos que investem em conhecimento para melhorar sua vida, seja profissionalmente, seja emocionalmente. Caros companheiros e companheiras da 53, tim-tim!
 

sábado, 13 de outubro de 2018

In Vino Viajas ultrapassa a marca de 2,5 milhões de leitores, com 250.343 acessos em agosto, mais de 8.300 page-views por dia!


Por Rogerio Ruschel
Meu prezado leitor ou leitora, neste mes de outubro estou de aniversário e ganhei um belo presente dos meus leitores: conforme o site Easy Counter, que faz relatórios para a indústria da internet, meu blogue In Vino Viajas atingiu 2.508.224 page-views em pouco mais de seis anos! Veja o destaque na imagem de abertura.
Veja também, indicado por setas, que nos últimos dois meses os acessos foram de 250.343 em agosto (8.344 page-views por dia), e de 100.705 em setembro (3.356 page-views por dia). Apenas como referência, a Vinicola Aurora e a Miolo – duas das maiores vinicolas do Brasil - registraram cerca de 550 page-views diários no mes passado, e a Vinicola Garibaldi registrou 1.650 page-views/dia. Veja abaixo. 
Esta é mais uma prova de que bom jornalismo tem audiência e interesse, no mundo todo.
 

Atualmente In Vino Viajas está presente em duas plataformas:
1.      Na Blogspot, criado em maio de 2012 (www.invinoviajas.blogspot.com.br), sobre o qual publiquei os dados acima.
2.     na WordPress, criada em janeiro de 2017 para ser uma plataforma internacional (www.invinoviajas.com) que contém todo o conteúdo do blogue na plataforma blogspot além de outros. Atualmente são 536 reportagens publicadas, cerca de 14.000 acessos por mes, e continua crescendo.
Além dos milhares de leitores nos blogues In Vino Viajas em Português, também escrevo em uma coluna no portal especializado espanhol Vinetur. Em julho de 2018 publiquei uma entrevista exclusiva com José Peñin, criador e presidente do famoso Guia Peñin de vinhos da Espanha, que teve mais de 3.500 acessos em uma semana – veja aqui: https://www.vinetur.com/posts/3465-jose-penin-exclusivo-nuestro-gran-patrimonio-es-el-numero-de-vinas-viejas-de-variedades-autoctonas-el-negativo-es.html