Pesquisar neste blog

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Piemonte, na Itália, é a sétima região vinícola reconhecida como Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco; conheça todas aqui



Por Rogerio Ruschel (*)
Reunido em Doha, no Catar, dia 22 de junho de 2014, o comitê da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) responsável pela seleção de locais de grande relevância mundial, dignos de serem declarados Patrimônio Mundial da Humanidade, acaba de declarar as colinas e comunidades do Langhe, Roero e Monferrato (nesta ordem, nas fotos abaixo), na célebre região vinícola italiana do Piemonte, como a mais nova região a ser reconhecida e protegida como tal.    

A região mereceu este reconhecimento graças à sua forte cultura vinícola e as belas paisagens. Entre os 962 sítios tombados pela Unesco em 153 países até fins de 2013, 188 eram naturais, e entre eles estavam seis regiões produtoras de vinhos (agora com Piemonte, são sete): Alto Douro, Portugal; Vinhas do Pico, Açores/Portugal; Saint-Emillion, França; Tokay, Hungria; Lavaux, Genebra/Suiça e Mittelrhein, Alemanha. Conheça estas regiões em http://invinoviajas.blogspot.com.br/2013/03/seis-vinhedos-patrimonio-da-humanidade.html

O Piemonte (cercado pela Ligúria  Vae de Aosta veja no mapa abaixo) é reconhecido em todo o mundo pelos vinhos, especialmente nas zonas ao redor das vilas de Barolo (na foto acima), Barbaresco e Asti. O Barolo é um vinho único, comparável aos melhores do mundo; o Barbaresco, menos encorpado e com menos acidez; o Barbera, feito com a segunda uva tinta mais glamorosa do Piemonte, gera um vinho excepcional; e o Dolcetto com suas múltiplas personalidades (D’Alba, d’Asti, di Dogliani, di Diano d”Alba), é um vinho para se beber jovem, com aromas mais doces e baixa acidez.  

Devido ao relevo montanhoso (o nome Piemonte deriva de “pés dos montes”, isto é, ao pé dos Alpes), os vinhedos de uvas Nebbiolo, Barbera, Dolcetto e Grignolino estão concentrados ao sudeste e nordeste de Turim. Outro grande tesouro da região são as saborosas trufas colhidas sob o solo e vendidas à peso de ouro para restaurantes de todo o mundo.


A área tombada pela Unesco abrange 10.789 hectares em três províncias, englobando 29 cidades. Segundo o documento divulgado pela Unesco “As paisagens de Langhe e Roero e Monferrato são um excepcional testemunho da tradição histórica do cultivo de videiras, dos processos de vinificação, de um contexto social e rural e de um tecido econômico baseado na cultura do vinho”.

Na região se localiza também a Fortaleza de Fenestrelle (fotos de abertura, acima e abaixo) construída pelo rei francês Luís XIV a partir de 1694 contra um possível ataque do Duque de Savoy contra o Piemonte durante a Guerra dos Nove Anos, na fronteira entre os atuais dois países. Hoje ela protege os vinhedos do Piemonte – veja como aqui: http://invinoviajas.blogspot.com.br/2014/02/conheca-fortaleza-de-fenestrelle-no.html


Alem destes vinhedos, a própria Cultura do Vinho poderá ser reconhecida como Patrimônio Imaterial da Humanidade pela Unesco – uma campanha está sendo realizada  pela Association for Culture and Tourism Exchange (ACTE), uma ONG internacional com sede em Estrasburgo, França. Os fundamentos da candidatura estão na história de convivência de cerca de pelo menos 6.000 anos entre os homens, as uvas e o vinho.

As uvas são ricas em diversidade, como os grupos humanos. O vinho contribuiu para a fundação das primeiras civilizações e sempre se manifesta como um sinal de identidade cultural de um grupo social e comunitário. Em muitas religiões o vinho representa um elemento importante em simbolos, ritos e práticas. Saiba mais sobre este assunto em  http://invinoviajas.blogspot.com.br/2013/12/a-cultura-do-vinho-pode-ser-um.html

Outro bem de cultura do vinho tombado pela Unesco em dezembro de 2013 como Patrimônio Cultural Intangível da Humanidade foi o “Qvevri”, o ancestral método de elaborar vinhos na Geórgia, (foto acima), que data de estimados 8.000 anos, e que seria o nascimento da produção de vinhos. Como In Vino Viajas é cultura, leia também sobre isso em http://invinoviajas.blogspot.com.br/2013/12/qvevri-cultura-do-vinho-passada-de-pai.html

 

(*) Rogerio Ruschel é jornalista, enólogo e gosta de visitar e divulgar Patrimônios da Humanidade

 


5 comentários:

  1. Ótimo post! Já me deu vontade de ir lá!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então vamos de bike?? Beijos!

      Excluir
    2. Ana, obrigado - caia no mundo do Piemonte. Boas pedaladas!

      Excluir
  2. A Fortaleza de Fenestrelle foi um lager para uma quantidade enorme de soldados borbonicos (1860-61)!

    ResponderExcluir
  3. É verdade, Nella. Grato pelo comentário. Abs

    ResponderExcluir